Mantega promete a empresários mais medidas para reduzir o Custo Brasil

| Agência Brasil
Brasília – Em reunião, nesta quinta-feira (22), com a presidente Dilma Rousseff e ministros, empresários receberam a garantia do governo de que continuará agindo no sentido de reduzir os juros e proteger o real ante a desvalorização do dólar. Mantega garantiu aos empresários que serão adotadas medidas para reduzir o custo financeiro e ampliar a desoneração da folha de pagamento.

“O governo vai criar ainda mais facilidades para reduzir o custo do investimentos. O que vamos fazer é reduzir tributos sobre investimentos, custo da folha salarial, juros, custos financeiros. Estaremos viabilizando mais investimentos por que estaremos reduzindo os custos para eles [empresário]", disse Mantega após a reunião.

Na reunião, os empresários relataram preocupação com a valorização cambial, a elevada carga tributária, os juros e as deficiências de infraestrutura. Mas o ministro da Fazenda disse que, apesar da preocupações, os empresários demostraram interesse em aumentar os investimentos privados e o governo sinalizou que vai apoiar, com investimentos, os planos de expansão do setor privado.

“O setor público vai aumentar investimentos e o setor privado está se comprometendo também em elevar os investimentos. Ouvimos a apresentação de projetos de investimentos de grande magnitude, de 5, 15 e, até, 20 bilhões de dólares. Percebemos que os vários setores estão animados para fazer grandes investimentos, de modo a viabilizar esse crescimento maior”, disse Mantega, que prometeu promover mais quatro reuniões com os empresários ao longo do ano.

Ele lembrou, no entanto, que a maior responsabilidade de aumentar investimentos é da iniciativa privada, já que o governo participa com, no máximo, 3% dos 20% que constituem o investimento total do País em relação ao Produto Interno Bruto (PIB).

A dona da rede varejista Magazine Luiza, Luiza Trajano, disse que a presidente Dilma Rousseff ouviu mais do que falou. “O Brasil tem hoje um mercado consumidor que ninguém tem. Agora, a nossa reclamação é sempre a carga tributária”.

O governo vem discutindo com empresários a desoneração da folha de pagamento. A proposta é que, no âmbito do Plano Brasil Maior, lançado no ano passado, a alíquota da contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) seja reduzida de 20% para zero e o empresariado opte pelo recolhimento de 1,5% sobre o faturamento. A indústria pede uma alíquota menor ou, até mesmo, o fim dessa contribuição.

Últimas notícias

27/08 - 18:25 Ibovespa fecha na máxima em 19 meses com apostas em mudança de governo 27/08 - 18:15 Dilma veta projeto de lei sobre criação de municípios 27/08 - 18:09 STF nega pedido de Roberto Jefferson para cumprir prisão domiciliar 27/08 - 18:01 Procon faz mutirão em Niterói para resolver problemas de consumidores 27/08 - 17:56 MPF faz acordo e evita despejo de esgoto no Rio Paraíba do Sul 27/08 - 14:31 Taxa de desemprego na Grande São Paulo fica estável em julho, diz Dieese 27/08 - 14:26 Entradas de dólares no país superaram saídas em US$ 1,2 bilhão 27/08 - 14:20 PF e Ibama fazem operação contra crimes ambientais na Amazônia 27/08 - 10:19 PepsiCo informa que achocolatado Toddynho não foi comercializado no Rio 27/08 - 10:15 Governo destina 3,2 milhões de hectares para reforma agrária 27/08 - 10:13 Confiança da indústria volta a cair pela oitava vez seguida 27/08 - 10:09 Inadimplência das empresas atinge maior nível para meses de julho 27/08 - 10:09 Inadimplência das empresas atinge maior nível para meses de julho 27/08 - 09:35 Gaza: cessar-fogo entre Israel e Palestina é respeitado 26/08 - 20:09 Beltrame diz que não há denúncias formais de ameaças a candidatos 26/08 - 20:09 Vereador é preso por participação em briga de torcidas em SP 26/08 - 20:08 Ibope: Dilma tem 34% das intenções de voto; Marina, 29% e Aécio, 19% 26/08 - 20:06 Metalúrgicos da GM aprovam suspensão temporária de contrato

Edição Digital

Edição 27/08/14

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.