Relatório da OIT mostra recuperação do emprego no Brasil depois da crise de 2008

| Agência Brasil
O emprego no Brasil se recuperou da crise global que começou em 2008. A conclusão está no Relatório sobre o Trabalho no Mundo em 2012: Melhores Empregos para uma Economia Melhor, da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A taxa de emprego no país, de 54,1% no quarto trimestre de 2011, está cerca de 2 pontos percentuais acima do nível pré-crise, e é o quarto maior aumento entre os países da região durante o período de crise.

A taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas continuou a cair constantemente no Brasil desde o início de 2009. No quarto trimestre de 2011, ela tinha atingido 5,2%, 1,4 ponto percentual abaixo do nível em 2010 e perto de 3 pontos percentuais abaixo do nível pré-crise de 2007. Em comparação com outras economias da região, o Brasil tem a terceira menor taxa de desemprego, depois do México e de Barbados.

“O poder de recuperação do Brasil em relação à crise econômica tem sido impressionante. Grande parte do sucesso durante a recuperação deveu-se à mistura oportuna de políticas adotadas durante a crise”, aponta o relatório. Segundo a OIT, para mitigar os efeitos da crise, programas existentes foram incrementados e outras iniciativas do governo foram introduzidas, como o fortalecimento do salário mínimo e a expansão de programas de proteção social.

O relatório também mostra que, embora a incidência do emprego informal na América Latina e no Caribe como um todo tende a aumentar, uma tendência oposta foi registrada no Brasil. Além disso, a desigualdade de renda continuou a cair durante a crise, continuando a trajetória que começou no início de 2000.

A pontuação do relatório para o risco de agitação social no Brasil diminuiu entre 2009 e 2010, apesar de uma tendência geral no mundo para um aumento no risco de tumultos. Segundo a OIT, isso reflete principalmente a forte confiança no governo nacional e um aumento na percepção das pessoas sobre seu padrão de vida.

No aspecto mundial, o relatório indica que, embora o crescimento econômico tenha se reativado em algumas regiões, a situação global de emprego é extremamente alarmante e não dá sinais de recuperação no futuro próximo. Segundo a OIT, isso se deve principalmente ao fato de que muitos governos, em particular nas economias avançadas, deram prioridade à combinação de austeridade fiscal e reformas laborais drásticas. O relatório sustenta que este tipo de medidas está produzindo consequências devastadoras nos mercados de trabalho em geral e na criação de emprego em particular.

Últimas notícias

19/12 - 18:42 Bovespa sobe 2,4% puxada por Vale e tem primeira alta semanal em um mês 19/12 - 18:38 Maioria dos adolescentes das comunidades pacificadas do Rio estuda 19/12 - 18:35 Toffoli faz balanço do TSE e diz que eleições tiveram resultado esperado 19/12 - 18:32 Ministro Teori Zavascki homologa delação premiada de Youssef 19/12 - 14:05 Temendo nova crise, União Europeia lança fundo para financiar investimentos 19/12 - 14:01 Rio recebe nova barca e quatro composições ferroviárias mais modernas 19/12 - 13:57 Empregos sem carteira caem 7,6% e por conta própria crescem 5,1% 19/12 - 13:55 Carga tributária recorde chega a 35,95% do PIB em 2013 18/12 - 19:03 Ibovespa reverte ganhos e fecha em queda com piora de Petrobras e bancos 18/12 - 19:01 Uerj antecipa recesso por falta de pagamento a terceirizados 18/12 - 18:58 Lewandowski defende mais mediação e conciliação para desafogar o Judiciário 18/12 - 18:56 São Paulo vai multar excesso de consumo de água em até 50% 18/12 - 18:54 CMN adia a definição sobre juros de financiamentos do BNDES 18/12 - 18:52 Brasil criou 8.381 empregos formais em novembro 18/12 - 13:15 Carrefour vende 10% de subsidiária brasileira a Abilio Diniz por R$1,8 bi 18/12 - 13:13 Cedae restaura prédio histórico que abrigará futura casa das águas 18/12 - 13:08 Agência Nacional de Águas orienta empresários de Jundiaí 18/12 - 13:06 Palestina apresenta proposta para desocupação da Cisjordânia até o fim de 2017

Edição Digital

Edição 22/12/14

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.