Relatório da OIT mostra recuperação do emprego no Brasil depois da crise de 2008

| Agência Brasil
O emprego no Brasil se recuperou da crise global que começou em 2008. A conclusão está no Relatório sobre o Trabalho no Mundo em 2012: Melhores Empregos para uma Economia Melhor, da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A taxa de emprego no país, de 54,1% no quarto trimestre de 2011, está cerca de 2 pontos percentuais acima do nível pré-crise, e é o quarto maior aumento entre os países da região durante o período de crise.

A taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas continuou a cair constantemente no Brasil desde o início de 2009. No quarto trimestre de 2011, ela tinha atingido 5,2%, 1,4 ponto percentual abaixo do nível em 2010 e perto de 3 pontos percentuais abaixo do nível pré-crise de 2007. Em comparação com outras economias da região, o Brasil tem a terceira menor taxa de desemprego, depois do México e de Barbados.

“O poder de recuperação do Brasil em relação à crise econômica tem sido impressionante. Grande parte do sucesso durante a recuperação deveu-se à mistura oportuna de políticas adotadas durante a crise”, aponta o relatório. Segundo a OIT, para mitigar os efeitos da crise, programas existentes foram incrementados e outras iniciativas do governo foram introduzidas, como o fortalecimento do salário mínimo e a expansão de programas de proteção social.

O relatório também mostra que, embora a incidência do emprego informal na América Latina e no Caribe como um todo tende a aumentar, uma tendência oposta foi registrada no Brasil. Além disso, a desigualdade de renda continuou a cair durante a crise, continuando a trajetória que começou no início de 2000.

A pontuação do relatório para o risco de agitação social no Brasil diminuiu entre 2009 e 2010, apesar de uma tendência geral no mundo para um aumento no risco de tumultos. Segundo a OIT, isso reflete principalmente a forte confiança no governo nacional e um aumento na percepção das pessoas sobre seu padrão de vida.

No aspecto mundial, o relatório indica que, embora o crescimento econômico tenha se reativado em algumas regiões, a situação global de emprego é extremamente alarmante e não dá sinais de recuperação no futuro próximo. Segundo a OIT, isso se deve principalmente ao fato de que muitos governos, em particular nas economias avançadas, deram prioridade à combinação de austeridade fiscal e reformas laborais drásticas. O relatório sustenta que este tipo de medidas está produzindo consequências devastadoras nos mercados de trabalho em geral e na criação de emprego em particular.

Últimas notícias

17/09 - 12:34 IGP-10 tem inflação de 0,31% em setembro 17/09 - 12:32 Setor de supermercados deve crescer 1,9% em 2014 17/09 - 12:31 Incêndio atinge depósito de carros apreendidos em ações da Polícia Civil 17/09 - 09:19 ONU pede U$ 1 bi para combater ebola e Obama quer ação rápida para conter doença 17/09 - 09:17 Dilma tem 36% das intenções de voto; Marina, 30% e Aécio, 19% em pesquisa Ibope 17/09 - 09:16 Governo revoga decisão sobre leilão de usina hidrelétrica no Rio Tapajós 16/09 - 19:02 Pirataria e contrabando causam prejuízo de R$ 30 bilhões para a indústria 16/09 - 19:01 Volume do Cantareira continua em queda e chega a 8,9% 16/09 - 19:00 Rio 2016 divulga os preços dos ingressos para os Jogos Olímpicos 16/09 - 18:56 Ibovespa encerra pregão com alta de 2,01% 16/09 - 15:08 Major da PM investigado por corrupção se entrega à polícia 16/09 - 15:07 Após reintegração de posse, tensão em São Paulo começa a ser controlada 16/09 - 15:06 Brasil tem 3,4 milhões de pessoas que não comem o suficiente, diz FAO 16/09 - 09:31 Policiais e sem-teto entram em confronto durante reintegração de posse 16/09 - 09:29 Iraque: Estados Unidos fazem primeiro ataque ao Estado Islâmico 16/09 - 09:26 Discriminação sofrida pelos negros no Brasil precisa ser combatida, diz ONU 16/09 - 09:24 Ibre-FGV prevê crescimento anual de 0,2% na economia 16/09 - 09:22 Tolmasquim mostra ceticismo sobre participação de térmicas em leilão de novembro

Edição Digital

Edição 17/09/14

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.