Relatório da OIT mostra recuperação do emprego no Brasil depois da crise de 2008

| Agência Brasil
O emprego no Brasil se recuperou da crise global que começou em 2008. A conclusão está no Relatório sobre o Trabalho no Mundo em 2012: Melhores Empregos para uma Economia Melhor, da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A taxa de emprego no país, de 54,1% no quarto trimestre de 2011, está cerca de 2 pontos percentuais acima do nível pré-crise, e é o quarto maior aumento entre os países da região durante o período de crise.

A taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas continuou a cair constantemente no Brasil desde o início de 2009. No quarto trimestre de 2011, ela tinha atingido 5,2%, 1,4 ponto percentual abaixo do nível em 2010 e perto de 3 pontos percentuais abaixo do nível pré-crise de 2007. Em comparação com outras economias da região, o Brasil tem a terceira menor taxa de desemprego, depois do México e de Barbados.

“O poder de recuperação do Brasil em relação à crise econômica tem sido impressionante. Grande parte do sucesso durante a recuperação deveu-se à mistura oportuna de políticas adotadas durante a crise”, aponta o relatório. Segundo a OIT, para mitigar os efeitos da crise, programas existentes foram incrementados e outras iniciativas do governo foram introduzidas, como o fortalecimento do salário mínimo e a expansão de programas de proteção social.

O relatório também mostra que, embora a incidência do emprego informal na América Latina e no Caribe como um todo tende a aumentar, uma tendência oposta foi registrada no Brasil. Além disso, a desigualdade de renda continuou a cair durante a crise, continuando a trajetória que começou no início de 2000.

A pontuação do relatório para o risco de agitação social no Brasil diminuiu entre 2009 e 2010, apesar de uma tendência geral no mundo para um aumento no risco de tumultos. Segundo a OIT, isso reflete principalmente a forte confiança no governo nacional e um aumento na percepção das pessoas sobre seu padrão de vida.

No aspecto mundial, o relatório indica que, embora o crescimento econômico tenha se reativado em algumas regiões, a situação global de emprego é extremamente alarmante e não dá sinais de recuperação no futuro próximo. Segundo a OIT, isso se deve principalmente ao fato de que muitos governos, em particular nas economias avançadas, deram prioridade à combinação de austeridade fiscal e reformas laborais drásticas. O relatório sustenta que este tipo de medidas está produzindo consequências devastadoras nos mercados de trabalho em geral e na criação de emprego em particular.

Últimas notícias

23/04 - 15:55 Ministra do Supremo vai decidir hoje sobre CPI da Petrobras 23/04 - 15:33 Inflação fechará o ano abaixo do teto da meta, diz Mantega 23/04 - 15:28 Marginal Tietê começa a ser liberada parcialmente, após vazamento de gás 23/04 - 15:26 País fecha março com 273,5 milhões de linhas de celulares ativas 23/04 - 15:24 Dilma sanciona Marco Civil da Internet 22/04 - 18:11 Funcionários de 13 cemitérios municipais do Rio fazem greve na sexta-feira 22/04 - 18:07 Niterói terá reforço de 100 policiais para conter onda de violência 22/04 - 18:05 McDonald's tem lucro menor com resultado fraco de vendas nos EUA 22/04 - 18:00 Balança tem superávit de US$ 45 milhões na terceira semana de abril 22/04 - 17:54 CNJ restringe voto de casais de magistrados nos tribunais 22/04 - 17:52 Marco Civil da Internet está pronto para votação no plenário do Senado 22/04 - 17:49 Bovespa fecha em leve baixa, pressionada por blue chips 22/04 - 15:57 Aneel aprova reajuste de energia para cooperativas 22/04 - 15:54 Desalojados do terreno da Oi permanecem acampados na Catedral Metropolitana 22/04 - 15:50 UPA na zona norte do Rio volta a atender depois de fechada por causa de tiroteio 22/04 - 15:48 Osasco: moradores têm dificuldade de ir ao trabalho após incêndio em 34 ônibus 22/04 - 15:44 PRF registra 136 mortes e 2,7 mil acidentes durante o feriado prolongado 22/04 - 10:47 Unicef: 50 mil crianças podem morrer de fome este ano no Sudão do Sul

Edição Digital

Edição 23/04/14

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.