Relatório da OIT mostra recuperação do emprego no Brasil depois da crise de 2008

| Agência Brasil
O emprego no Brasil se recuperou da crise global que começou em 2008. A conclusão está no Relatório sobre o Trabalho no Mundo em 2012: Melhores Empregos para uma Economia Melhor, da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A taxa de emprego no país, de 54,1% no quarto trimestre de 2011, está cerca de 2 pontos percentuais acima do nível pré-crise, e é o quarto maior aumento entre os países da região durante o período de crise.

A taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas continuou a cair constantemente no Brasil desde o início de 2009. No quarto trimestre de 2011, ela tinha atingido 5,2%, 1,4 ponto percentual abaixo do nível em 2010 e perto de 3 pontos percentuais abaixo do nível pré-crise de 2007. Em comparação com outras economias da região, o Brasil tem a terceira menor taxa de desemprego, depois do México e de Barbados.

“O poder de recuperação do Brasil em relação à crise econômica tem sido impressionante. Grande parte do sucesso durante a recuperação deveu-se à mistura oportuna de políticas adotadas durante a crise”, aponta o relatório. Segundo a OIT, para mitigar os efeitos da crise, programas existentes foram incrementados e outras iniciativas do governo foram introduzidas, como o fortalecimento do salário mínimo e a expansão de programas de proteção social.

O relatório também mostra que, embora a incidência do emprego informal na América Latina e no Caribe como um todo tende a aumentar, uma tendência oposta foi registrada no Brasil. Além disso, a desigualdade de renda continuou a cair durante a crise, continuando a trajetória que começou no início de 2000.

A pontuação do relatório para o risco de agitação social no Brasil diminuiu entre 2009 e 2010, apesar de uma tendência geral no mundo para um aumento no risco de tumultos. Segundo a OIT, isso reflete principalmente a forte confiança no governo nacional e um aumento na percepção das pessoas sobre seu padrão de vida.

No aspecto mundial, o relatório indica que, embora o crescimento econômico tenha se reativado em algumas regiões, a situação global de emprego é extremamente alarmante e não dá sinais de recuperação no futuro próximo. Segundo a OIT, isso se deve principalmente ao fato de que muitos governos, em particular nas economias avançadas, deram prioridade à combinação de austeridade fiscal e reformas laborais drásticas. O relatório sustenta que este tipo de medidas está produzindo consequências devastadoras nos mercados de trabalho em geral e na criação de emprego em particular.

Últimas notícias

25/07 - 18:29 Montadoras de veículos no Brasil devem seguir contendo produção, diz Ford 25/07 - 18:24 Hidrelétrica do Tapajós pode ser leiloada no fim deste ano 25/07 - 18:23 Israel rejeita proposta de cessar-fogo apresentada por John Kerry 25/07 - 18:19 Bovespa fecha em baixa com mercados externos, mas acumula alta na semana 25/07 - 14:20 Cruz Vermelha Brasileira revela que R$ 25 milhões podem ter sido desviados 25/07 - 11:08 Inflação avança em São Paulo na terceira quadrissemana de julho 25/07 - 11:05 Copa pode ter influenciado alta de confiança do consumidor, diz FGV 25/07 - 10:59 Hollande diz que caixa-preta do avião da Air Algérie foi recuperada 24/07 - 18:03 Planejamento altera regra para concessão de aposentadoria especial a servidores 24/07 - 18:00 Novo presidente de Israel assume em meio a intensificação do conflito em Gaza 24/07 - 17:57 Índice fecha em alta, puxado por bancos e Vale 24/07 - 17:33 Volkswagen considera montar centro de planejamento no Brasil para recuperar vendas 24/07 - 17:26 Rio: Feira da Reforma Agrária leva alimentos saudáveis do campo para a cidade 24/07 - 17:23 Ataque de Israel a escola da ONU deixa 15 mortos; Nações Unidas condenam ato 24/07 - 17:20 Israel critica postura do governo brasileiro sobre conflito em Gaza 24/07 - 16:20 Acordo entre MPF e exportadores pode estimular consumo consciente de carne 24/07 - 16:11 Parentes e amigos esperam saída dos ativistas do presídio no Rio 24/07 - 16:00 Parcela do câmbio na dívida interna fica abaixo de 10%

Edição Digital

Edição 25/07/14

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.