Governo discute amanhã projeto que altera fator previdenciário

| Agência Brasil
O governo discute a alteração do fator previdenciário para a concessão de aposentadoria aos contribuintes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com base em duas propostas: uma em que a idade e o tempo de contribuição somariam 85 e 95 anos para mulheres e homens, respectivamente; e outra em que a aposentadoria seria fixada de acordo com uma idade mínima, considerando a expectativa de vida no país.

Amanhã (10), será realizada uma reunião entre os ministros de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, da Fazenda, Guido Mantega, da Previdência Social, Garibaldi Alves, e outras autoridades para discutir propostas de mudança no Projeto de Lei 3.299/2008, sobre a aposentadoria de acordo com a soma do tempo e da idade, que tramita na Câmara. O projeto deverá ser votado em agosto, quando os deputados voltarem do recesso parlamentar – que começa em18 de julho e vai até o dia 31. Também deverá ser discutida a possibilidade de fixação de idade mínima.

Segundo a proposta 85/95, que está em negociação, o tempo de contribuição ao INSS será somado à idade do contribuinte. Ao chegar ao total de 85 anos (mulheres) ou 95 anos (homens), o aposentado receberá o salário integral – respeitado o teto da Previdência (atualmente, de R$ 3.916,20), sem nenhum desconto. A expectativa é que, com o cálculo 85/95, haja aumento médio de 20% nas aposentadorias.

A regra atual estabelece que a aposentadoria dos contribuintes do INSS seja feita de acordo com a combinação de dois critérios: idade mínima (65 anos para homens e 60 anos para mulheres; e 60 anos para homens e 55 anos para mulheres que exercem trabalho rural) e tempo de contribuição (35 anos para homens, 30 anos para mulheres).

Caso a aposentadoria do contribuinte seja feita anteriormente ao cumprimento de algum desses dois critérios, o valor a ser recebido pelo trabalhador é calculado de acordo com uma fórmula – o fator previdenciário –, que leva em consideração o tempo de contribuição do trabalhador, a alíquota paga, a expectativa de sobrevida e a idade da pessoa no momento da aposentadoria. Segundo dados da Câmara dos Deputados, nos últimos quatro anos mais de 44 mil pessoas entraram em contato com a Casa para pedir o fim do fator.

De acordo com esse sistema, ainda são somados ao cálculo cinco anos para mulheres, cinco anos para professores e dez anos para professoras do ensino básico, fundamental e médio.

Assim, caso o contribuinte se aposente em um momento em que o cálculo não corresponde ao salário integral, há um desconto no total a ser recebido. Esse deságio, causado pela inclusão da expectativa de vida do segurado – que segue tabela do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) –, faz com que muitos trabalhadores se mantenham na ativa para atingir a aposentadoria compatível com o salário integral, e, consequentemente, reduzam a pressão sobre a Previdência Social.

A outra proposta, elaborada pelo Ministério da Previdência Social, cogita fixar a idade de aposentadoria segundo a expectativa de vida no país. Apesar de fixa, essa idade poderia ser modificada no futuro, quando houver mudanças nessa expectativa. O ministério informou à Agência Brasil que não vai se manifestar sobre a possibilidade de aposentadoria por idade até a realização da reunião marcada para amanhã.

“Não aceitamos a fixação da idade. Isso é ruim para os mais pobres, que começam a trabalhar muito cedo e contribuem durante muitos anos. Não é justo que outra pessoa comece a trabalhar mais tarde, contribua menos e também receba o teto porque atingiu a idade”, disse o presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados e Pensionistas da Força Sindical (Sindnapi), João Batista Inocentini.

Últimas notícias

29/01 - 19:04 Alíquotas de PIS e Cofins sobre combustíveis sobem no domingo 29/01 - 19:03 Petrobras reduz perdas e Bovespa fecha com ligeira alta após pregão volátil 29/01 - 16:48 Pezão pretende suspender benefícios fiscais concedidos à Petrobras 29/01 - 16:45 Ucrânia, Rússia e separatistas reúnem-se amanhã para negociar trégua em conflito 29/01 - 16:43 Atrasos em obras aumentam custos do setor elétrico em R$ 10,8 bilhões 29/01 - 16:41 Instituto promove atendimento oftalmológico gratuito no Rio 29/01 - 16:39 MPF estima que desvios na Petrobras tenham chegado a R$ 2,1 bilhões 28/01 - 17:48 Petrobras despenca 10% e leva Bovespa a fechar em baixa 28/01 - 17:46 TCU pede à ANTT para rever custos de edital para concessão da Ponte Rio-Niterói 28/01 - 17:42 Faturamento do setor de franquias brasileiro cresce 7,7% em 2014 28/01 - 17:41 Juiz da Lava Jato diz que prisões são advertência para empreiteiras 28/01 - 17:37 Taxa de desemprego aumenta na região metropolitana de São Paulo 28/01 - 17:36 Arrecadação federal encerra 2014 com primeira queda real em cinco anos 28/01 - 15:15 Obras em três locais de competição da Rio 2016 ainda não têm cronograma 28/01 - 15:08 Prefeito anuncia projeto para punir uso abusivo de água em São Paulo 28/01 - 15:05 CNI diz que disposição do empresário da construção para investir é menor em 2 28/01 - 14:59 Receita libera consulta a lote da malha fina do Imposto de Renda 2014 27/01 - 18:13 Ministério da Justiça pede sugestões sobre proteção de dados na internet

Edição Digital

Edição 30/01/15

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.