Dívida Pública Federal sobe R$ 34 bilhões em agosto e volta a se aproximar de R$ 2 trilhões

Da redação
O forte volume de emissões de títulos públicos fez a Dívida Pública Federal (DPF) subir R$ 34 bilhões em agosto e voltar a se aproximar de R$ 2 trilhões. De acordo com dados divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional, a DPF fechou o mês passado em R$ 1,992 trilhão, com alta de 1,77% em relação ao estoque registrado em julho (R$ 1,957 trilhão).

A dívida pública mobiliária (em títulos públicos) interna subiu 1,69%, de R$ 1,864 trilhão para R$ 1,896 trilhão. Isso ocorreu porque, no mês passado, o Tesouro emitiu R$ 17,55 bilhões em títulos a mais do que resgatou. Além disso, o reconhecimento de R$ 13,98 bilhões em juros contribuiu para o aumento da dívida. O reconhecimento ocorre porque a correção que o Tesouro se compromete a pagar aos investidores é incorporada gradualmente ao valor devido.

Por causa da alta de 3,59% do dólar em agosto, a dívida pública externa subiu de R$ 92,70 bilhões em julho para R$ 95,84 bilhões no mês passado. O aumento ocorreu apesar de o Tesouro Nacional ter recomprado R$ 41,17 milhões em títulos da dívida externa em agosto.

O principal fator para a alta da DPF no mês passado é o fato de que agosto não foi marcado por vencimentos expressivos de títulos públicos, que compensam as emissões feitas pelo Tesouro e diminuem o aumento do estoque. Em julho, os vencimentos tinham somado R$ 80,05 bilhões em títulos, contra R$ 12,02 bilhões no mês passado.

Apesar de continuar abaixo de R$ 2 trilhões, o próprio Tesouro reconhece que a DPF deve voltar a subir nos próximos meses. De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), divulgado em julho, a tendência é que o estoque da Dívida Pública Federal encerre o ano entre R$ 2,1 trilhões e R$ 2,24 trilhões. Em dezembro, a DPF ultrapassou pela primeira vez a barreira de R$ 2 trilhões, mas caiu nos meses seguintes.

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestado dos investidores recursos para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver os recursos com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio. (ABr)

Últimas notícias

30/03 - 13:24 Nível dos reservatórios do Cantareira sobe de 18,7% para 18,9% 30/03 - 13:22 Técnicos do Banco Central fazem greve por reestruturação de carreira 30/03 - 13:19 Avião turco vai prosseguir viagem até São Paulo após pouso forçado no Marrocos 30/03 - 13:17 Mercado prevê Selic a 13,25% e queda de 1% do PIB 27/03 - 18:44 Bovespa encerra semana no vermelho pressionada por bancos e tombo de 9% de Gerdau 27/03 - 18:42 Temer diz que pausa no crescimento da economia é passageira 27/03 - 18:39 Centro de referência LGBT é inaugurado em São Paulo 27/03 - 18:38 Inca usa grafite com mensagem contra o tabagismo 27/03 - 18:36 TCU determina que Petrobras mude forma de contratar serviços 27/03 - 11:43 CPI da Petrobras contrata Kroll para rastrear dinheiro enviado ao exterior 27/03 - 11:38 Presidente da Venezuela diz estar pronto para dialogar com os EUA 27/03 - 11:36 Juiz afastado do caso Eike vai responder a procedimentos administrativos 27/03 - 11:34 Pilotos criticam divulgação de dados parciais de investigação sobre acidente 27/03 - 11:33 Índice de Confiança do Comércio registra quinta queda consecutiva, mostra FGV 27/03 - 11:30 Economia brasileira cresceu 0,1% em 2014 27/03 - 11:27 Socialite Party ferve a Capital Federal 26/03 - 18:49 Oi propõe à Telemar conversão de ações PN em ON para lidar com atraso em migração ao Novo Mercado 26/03 - 18:47 Bovespa fecha em queda de 2,5%; Petrobras cai 5% apesar de alta do petróleo

Edição Digital

Edição 30/03/15

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.