Aumenta em 3,6% número de empresas de alto crescimento; emprego e salário também estão maiores

A terceira edição da pesquisa Estatísticas do Empreendedorismo, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que havia um total de 34.528 empresas de alto crescimento (EAC) no país, em 2011, que empregavam 5 milhões de assalariados e pagavam, entre salários e remunerações, R$ 95,4 bilhões.

Os dados disponibilizados mostram que houve aumento de 3,6% no número de EAC em relação a 2010, além de incremento de 0,8% no pessoal assalariado ocupado e de 8,1% nos salários e remunerações pagos por essas empresas.

São consideradas EAC as empresas que têm mais de dez empregados e que mantiveram uma média de crescimento do pessoal assalariado ocupado de, pelo menos, 20% nos três anos anteriores. Do total de EAC, 34.106 eram empresas de alto crescimento orgânico (EAC orgânico), em que o aumento do pessoal assalariado resulta de novas contratações. Essas companhias cresceram de um ano para outro 3,8%.

Na avaliação do economista Cristiano Santos, coordenador da pesquisa do IBGE, o dado mais importante é a geração de novos postos de trabalho. “Se eu for fazer a comparação com as empresas que têm mais de dez empregados no Brasil, percebe-se que 7,7% das EAC são responsáveis por quase a metade da geração de novos postos”, disse.

Considerando todas as empresas existentes no país, observa-se que as 34.528 EAC foram responsáveis pela geração de 3,2 milhões de postos de trabalho entre 2008 e 2011, enquanto o restante – 98,5% - respondeu por 2,5 milhões de empregos. “Esse é um dado bastante grande, porque é muito concentrado. São empresas que estão crescendo rapidamente e acabam empregando muito mais que as outras. Esse é o dado mais importante, eu diria”.

O estudo revela que os 3,2 milhões de postos de trabalho assalariado criados pelas EAC, entre 2008 e 2011, corresponderam a 56% do total de empregos gerados por empresas com um ou mais trabalhador assalariado e a 67% dos postos gerados por empresas com mais de dez empregados.

O setor da construção civil continua sendo uma grande base para esse crescimento, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, disse o pesquisador. Cristiano Santos lembrou que no período de 2008 a 2011, o crescimento no Brasil foi variado devido à crise financeira internacional iniciada nos Estados Unidos, e acabou sendo impulsionado pelo incremento de 7,5% do Produto Interno Bruto (PIB), registrado em 2010, que puxou as médias para cima.

De acordo com o estudo do IBGE, o pessoal assalariado nas EAC subiu, em média, 175,5%, entre 2008 e 2011. Isso comprova que essas empresas mantiveram um crescimento forte no período, apesar da crise externa, indicou o economista do IBGE.

Nas empresas de alto crescimento orgânico, a expansão do emprego foi 171,8%. Santos acrescentou que o fato de o pessoal ocupado ter crescido um pouco menos na EAC orgânico que na EAC total “significa que teve uma geração de postos de trabalho efetiva, baseada nessas empresas”.

Do ponto de vista dos setores que mais contrataram, Santos salientou que nas EAC orgânico, os destaques foram a construção civil e a atividade de serviços complementares, entre os quais serviços de consultoria e serviços prestados a outras companhias, como os de limpeza, por exemplo. No cômputo geral as empresas que lideraram o ranking de crescimento, no período, foram as ativas, o comércio, a indústria da transformação e a de construção.

A pesquisa mostra, ainda, que quase 60% das unidades locais de EAC orgânico estavam em regiões metropolitanas. Os números revelam a existência, em 2011, de 34.106 EAC orgânico com 70.605 unidades locais. O estado de São Paulo concentrava 30% das unidades locais e 31,2% do pessoal ocupado assalariado nas EAC orgânico. (ABr)

Últimas notícias

23/01 - 21:32 Casos de homidício doloso caíram 11,7% em dezembro no Rio 23/01 - 21:30 Ligação entre Bacia do Paraíba do Sul e Cantareira é incluída no PAC 23/01 - 21:27 Governo avalia crise de água preocupante e pede ajuda da população 23/01 - 15:18 FGV: confiança da indústria sobe 1,2% na primeira prévia de janeiro 23/01 - 15:17 Déficit em transações correntes chega a US$ 90,9 bilhões em 2014 23/01 - 15:15 Crise hídrica no Rio pode suspender fornecimento às empresas no Rio Guandu 23/01 - 07:28 País terá "problema grave" se reservatórios chegarem a 10%, diz ministro 23/01 - 07:27 Sisu inscreve 2,6 milhões e Universidade Federal do Ceará é a mais procurada 23/01 - 07:24 Hospital da rede pública do Rio faz transplante de dedo 22/01 - 18:47 Aeronautas suspendem paralisação à espera de mediação da Justiça 22/01 - 18:44 Reservatório que abastece o Rio de Janeiro atinge o volume morto, informa ONS 22/01 - 18:42 Falta de energia elétrica deixa 1,2 milhão sem água em SP 22/01 - 18:40 Dólar fecha abaixo de R$ 2,60 pela primeira vez em 45 dias 22/01 - 16:16 Aeroportos do país registram atrasos e cancelamentos em dia de protesto 22/01 - 16:13 Banco Central Europeu anuncia compra mensal de 60 bilhões de euros 22/01 - 16:12 Giles Azevedo é indicado para conselho de Itaipu 22/01 - 16:10 Evo Morales assume a presidência da Bolívia pela terceira vez 22/01 - 12:13 IBGE: serviços cresceram em novembro 3,7%, menor índice da série histórica

Edição Digital

Edição 26/01/15

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.