Aumenta em 3,6% número de empresas de alto crescimento; emprego e salário também estão maiores

A terceira edição da pesquisa Estatísticas do Empreendedorismo, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que havia um total de 34.528 empresas de alto crescimento (EAC) no país, em 2011, que empregavam 5 milhões de assalariados e pagavam, entre salários e remunerações, R$ 95,4 bilhões.

Os dados disponibilizados mostram que houve aumento de 3,6% no número de EAC em relação a 2010, além de incremento de 0,8% no pessoal assalariado ocupado e de 8,1% nos salários e remunerações pagos por essas empresas.

São consideradas EAC as empresas que têm mais de dez empregados e que mantiveram uma média de crescimento do pessoal assalariado ocupado de, pelo menos, 20% nos três anos anteriores. Do total de EAC, 34.106 eram empresas de alto crescimento orgânico (EAC orgânico), em que o aumento do pessoal assalariado resulta de novas contratações. Essas companhias cresceram de um ano para outro 3,8%.

Na avaliação do economista Cristiano Santos, coordenador da pesquisa do IBGE, o dado mais importante é a geração de novos postos de trabalho. “Se eu for fazer a comparação com as empresas que têm mais de dez empregados no Brasil, percebe-se que 7,7% das EAC são responsáveis por quase a metade da geração de novos postos”, disse.

Considerando todas as empresas existentes no país, observa-se que as 34.528 EAC foram responsáveis pela geração de 3,2 milhões de postos de trabalho entre 2008 e 2011, enquanto o restante – 98,5% - respondeu por 2,5 milhões de empregos. “Esse é um dado bastante grande, porque é muito concentrado. São empresas que estão crescendo rapidamente e acabam empregando muito mais que as outras. Esse é o dado mais importante, eu diria”.

O estudo revela que os 3,2 milhões de postos de trabalho assalariado criados pelas EAC, entre 2008 e 2011, corresponderam a 56% do total de empregos gerados por empresas com um ou mais trabalhador assalariado e a 67% dos postos gerados por empresas com mais de dez empregados.

O setor da construção civil continua sendo uma grande base para esse crescimento, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, disse o pesquisador. Cristiano Santos lembrou que no período de 2008 a 2011, o crescimento no Brasil foi variado devido à crise financeira internacional iniciada nos Estados Unidos, e acabou sendo impulsionado pelo incremento de 7,5% do Produto Interno Bruto (PIB), registrado em 2010, que puxou as médias para cima.

De acordo com o estudo do IBGE, o pessoal assalariado nas EAC subiu, em média, 175,5%, entre 2008 e 2011. Isso comprova que essas empresas mantiveram um crescimento forte no período, apesar da crise externa, indicou o economista do IBGE.

Nas empresas de alto crescimento orgânico, a expansão do emprego foi 171,8%. Santos acrescentou que o fato de o pessoal ocupado ter crescido um pouco menos na EAC orgânico que na EAC total “significa que teve uma geração de postos de trabalho efetiva, baseada nessas empresas”.

Do ponto de vista dos setores que mais contrataram, Santos salientou que nas EAC orgânico, os destaques foram a construção civil e a atividade de serviços complementares, entre os quais serviços de consultoria e serviços prestados a outras companhias, como os de limpeza, por exemplo. No cômputo geral as empresas que lideraram o ranking de crescimento, no período, foram as ativas, o comércio, a indústria da transformação e a de construção.

A pesquisa mostra, ainda, que quase 60% das unidades locais de EAC orgânico estavam em regiões metropolitanas. Os números revelam a existência, em 2011, de 34.106 EAC orgânico com 70.605 unidades locais. O estado de São Paulo concentrava 30% das unidades locais e 31,2% do pessoal ocupado assalariado nas EAC orgânico. (ABr)

Últimas notícias

23/10 - 18:42 Bovespa cai à mínima em 6 meses por chance maior de reeleição de Dilma 23/10 - 18:38 Datafolha mostra Dilma liderando com 6 pontos à frente de Aécio 23/10 - 17:48 STF mantém valores de indenização do seguro Dpvat 23/10 - 17:41 Delegada é encontrada morta em casa na zona oeste do Rio 23/10 - 17:37 Defesa Civil vai distribuir água em Itu com caminhões-pipa 23/10 - 14:05 CNI: indicadores industriais melhoram, mas desaquecimento "ainda é expressivo" 23/10 - 14:03 Indústria quer quebrar barreiras e explorar melhor a biodiversidade 23/10 - 14:03 Indústria quer quebrar barreiras e explorar melhor a biodiversidade 23/10 - 13:48 Concessionárias de energia do Rio adotam esquema especial para domingo 23/10 - 13:46 Emprego formal fica estável há 21 meses na comparação mensal 22/10 - 19:09 Novo Datafolha repete Dilma com 52% e Aécio com 48% dos votos válidos 22/10 - 19:07 Cia Hering tem vendas fracas no 3o tri, mas lucro sobe com benefícios fiscais 22/10 - 19:06 Bovespa fecha estável, mas prudência com eleição no domingo reduz giro 22/10 - 19:03 Cosenza apresenta atestado e falta a depoimento da CPMI da Petrobras 22/10 - 19:01 Sabesp amplia bônus a consumidor que economizar água 22/10 - 18:59 São Gonçalo recebe câmeras para reforçar segurança do município 22/10 - 18:56 TCU pede explicações à Petrobras sobre compra de gás da Bolívia 22/10 - 18:55 Juiz federal condena doleira a 18 anos de prisão

Edição Digital

Edição 22/10/14

© 2010 Copyright Diários Associados Todos os direitos reservados

O uso deste site está sujeito aos termos de uso. Ao continuar usando esta página, você concorda em cumprir com estes termos.